A vocação da Família

O projeto originário de Deus para as famílias é viver em comunhão, paz e concórdias perfeitas.

A finalidade da família é preparar-se para um dia, com a graça de Deus ser família no Reino dos céus, participantes da grande família de Deus. O Papa Francisco na Exortação Amoris Laetitia já dizia que “O Matrimônio e a família recebem de Cristo, através da Igreja, a graça necessária para testemunhar o amor de Deus e viver a vida de comunhão.”

O próprio Jesus deixa o seu exemplo para a Igreja inaugurando a sua vida pública num banquete de núpcias em Caná. Este contexto do banquete de núpcias escolhido por Jesus para o seu primeiro milagre nos faz lembrar o simbolismo matrimonial, frequente no Antigo Testamento para indicar a Aliança entre Deus e o seu povo, e no novo Testamento significa a União de Cristo com a Igreja (Ef 5, 25-32). O projeto salvífico de Deus a respeito do matrimônio é manifestado com a presença de Jesus em Caná.

A falta de vinho pode ser entendida também como a falta de amor que ameaça a união dos esposos. Maria pede a Jesus que intervenha a favor daquele casal trazendo o vinho novo para as núpcias daquela família que acaba de nascer e que, de certa forma, todas as famílias que nascem, tenham um amor fundado em Deus que é capaz de fazê-los suportar, resistir a todas as tempestades. Neste sentido, a graça do sacramento oferece aos esposos a força de um amor superior, sobrenatural, sendo um sinal visível de um relacionamento invisível com Deus. Uma graça que leva à santidade. Logo, esta graça aumenta no casal na medida em que eles se esforçam para vivê-la. A graça precisa encontrar no coração da família um solo fértil. Pois esta semente (graça) que é recebida no sacramento só vai crescer dependendo do ambiente e da qualidade do solo que ela encontrar. Jesus transformou a água em vinho. Mas, certamente, o milagre aconteceu porque alguém tomou a iniciativa de carregar as talhas de água (cada talha poderia conter aproximadamente 80 litros de água). Nisto entendemos que junto ao milagre de Jesus havia o esforço de alguém que levou a água.

A família é um caminho, uma escola de santidade porque, sobretudo tem seu início na união entre um homem e uma mulher que são chamados por Deus a amar um ao outro por causa de Deus. E, concretamente, esta santificação se dá no exercício das virtudes na perspectiva da vida eterna.

Daniele Cutrim e Gilnei Cutrim – Consagrados da Comunidade Católica dom de Deus.

X